Justiça aceita denúncia e PM que matou Leandro Lo vira réu

De acordo com informações divulgadas pelo G1, o Ministério Público apresentou, no dia 30 de agosto, a denúncia contra o policial militar por homicídio triplamente qualificado. Velozo se entregou à Corregedoria e está preso no presídio militar Romão Gomes.

O crime aconteceu no início de agosto, no Clube Sírio, em São Paulo. Segundo testemunhas ouvidas pela Polícia Civil, o PM teria provocado o campeão mundial de jiu-jítsu antes de matá-lo com um tiro na cabeça.

De acordo com informações divulgadas pelo G1, o Ministério Público apresentou, no dia 30 de agosto, a denúncia contra o policial militar por homicídio triplamente qualificado. Velozo se entregou à Corregedoria e está preso no presídio militar Romão Gomes.

No documento, o órgão indicou que as qualificadoras do homicídio foram: motivo torpe, emprego de veneno, fogo, explosivo, asfixia, tortura ou outro meio insidioso ou cruel, ou de que possa resultar perigo comum; e à traição, de emboscada.

Na última sexta-feira (2/9), a Justiça decretou a conversão da prisão temporária de 30 dias do policial militar para a prisão preventiva. Veloso segue no presídio militar Romão Gomes.

Metrópoles

A Justiça de São Paulo aceitou a denúncia do Ministério Público para tornar o policial militar Henrique Otávio de Oliveira Velozo, de 30 anos, réu por assassinato do lutador de jiu-jitsu Leandro Lo, de 33 anos.

O crime aconteceu no início de agosto, no Clube Sírio, em São Paulo. Segundo testemunhas ouvidas pela Polícia Civil, o PM teria provocado o campeão mundial de jiu-jítsu antes de matá-lo com um tiro na cabeça.

De acordo com informações divulgadas pelo G1, o Ministério Público apresentou, no dia 30 de agosto, a denúncia contra o policial militar por homicídio triplamente qualificado. Velozo se entregou à Corregedoria e está preso no presídio militar Romão Gomes.

No documento, o órgão indicou que as qualificadoras do homicídio foram: motivo torpe, emprego de veneno, fogo, explosivo, asfixia, tortura ou outro meio insidioso ou cruel, ou de que possa resultar perigo comum; e à traição, de emboscada.

Na última sexta-feira (2/9), a Justiça decretou a conversão da prisão temporária de 30 dias do policial militar para a prisão preventiva. Veloso segue no presídio militar Romão Gomes.

Metrópoles

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *